quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Sofrimento e consciência de si em Kierkegaard

A propósito de sofrimento...



Para Kierkegaard o sofrimento é próprio da consciência de si. O sofrimento não é próprio da autenticidade como qualquer coisa que deve ser vencida e superada - mas pela sua continuidade perpétua. A autenticidade é sofrimento contínuo e que tem, para ser realmente autenticidade, de ser escolhido. Aquilo que é considerado o mais natural, o mais simples e, por isso, uma perda de tempo, é justamente o mais difícil, aquilo acerca do qual cada um mais se engana a si mesmo: a saber, o ser autenticamente um humano. Para se ter a ideia do que isto significa tem que se colocar uma mão sobre uma placa ardente, sentir a dor e, depois, não tirar a mão - não pensar noutra coisa, não recorrer aos treinos psicológicos que permitem que certos tropas especiais suportem as dores, não. O sofrimento deve aqui ser entendido como aquilo que o sujeito deve querer manter, não porque ele se tenha tornado qualquer coisa agradável, não porque se tem um gosto por sofrer - o que ainda é um engano, uma ilusão, um ainda não ter percebido o que é o sofrimento. E depois é preciso ainda perceber que não se está, de facto, a falar de sofrimento físico, mas do sofrimento da interioridade. Então temos aí uma pequena ideia de que, de facto, não é fácil ser-se um humano na plena consciência de si como sujeito individual existente.
(Cf. Johannes Climacus, Anti-Climacus e discursos edificantes)

Dizia Johannes Climacus no Postscriptum que, se devesse ficar famoso por alguma coisa, que o ficasse por não compreender as exigências do seu tempo. No seu tempo as pessoas queriam tornar tudo mais fácil e cómodo, ou ter tudo comodamente facilitado. No seu tempo era assim.

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.