sábado, 14 de dezembro de 2013

Ética e psicopatas formais

A propósito de psicopatas...

Agora o exercício deve ser o inverso. Imagine-se um sujeito cuja vida é a expressão de uma decisão. Uma decisão que depois toma novamente de cada vez, de tal modo que a sua vida é sucessivamente escolhida - e, deste modo, não é um desenvolvimento automático da sua essência. Este indivíduo não é o desenvolvimento automático da sua própria essência. A sua vida é expressão da sua decisão.

Se imaginarmos um indivíduo destes cuja decisão seja, por exemplo, dedicar-se a ajudar os outros, que diferença existe entre este indivíduo e o psicopata que faz justamente o mesmo enquanto expressão do desenvolvimento da sua essência, que é o desejo totalitário de ajudar os outros? Qual é a diferença entre o indivíduo-decisão e o psicopata? Bem, as suas essências podem ser a mesma, podem ambos ter o mesmo desejo totalitário – mas, ainda assim, ambos são formalmente diferentes. O decisivo aqui é justamente que, enquanto exteriormente podem corresponder ao mesmo, interiormente a diferença é fundamental – e a diferença é tão fundamental que, perante ela, o psicopata e o diletante são o mesmo: ambos são uma variante do desenvolvimento de uma essência. Quer dizer: formalmente, o psicopata e o diletante são reduzidos ao mesmo substracto quando comparados com o indivíduo-decisão.

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.