sábado, 28 de dezembro de 2013

Pode cada indivíduo salvar-se a si mesmo - ou está dependente de outra coisa?


A propósito de Cristianismo, em Kierkegaard...



O ponto é que cada ser humano deve ser igualmente capaz de ser si mesmo, consciente de si e existir autenticamente. Eticamente, tal habilidade é pressuposta - embora não possa ser qualquer coisa de que a pessoa ética se ocupa, pois o ético não precisa de aceitação ou confirmação externa para fazer o que a sua consciência dita. Religiosamente, o mais alto é comum a todos os humanos e cada indivíduo está sujeito ao mesmo rigor não sendo um favorecido em relação a outro, nem por qualquer acidente externo nem por qualquer talento. Se identificamos dificuldades acrescidas devido a aspectos circunstanciais, resultantes do contexto ou das capacidades do indivíduo, isso apenas significa que não se percebeu ainda qual é, de facto, a tarefa.

O problema, portanto, não surge na ética, nem na religiosidade - o problema surge no Cristianismo - enquanto pertencente à esfera do religioso, mas enquanto esfera própria da fé e do paradoxo. Embora o Cristianismo - não enquanto doutrina, mas sim enquanto "modo" em que se vive - se caracterize por apresentar-se, justamente, como o mais alto que a todos é comum - e que exige a todos o mesmo rigor, de tal modo que nem o rico, nem o mais inteligente estão em vantagem perante o pobre ou o menos inteligente, nem mesmo um homem que nasceu num país cristão e foi baptizado é mais facilmente cristão do que alguém que nasceu pagão e veio a encontrar o Cristianismo - embora a dificuldade seja igualmente árdua para cada indivíduo, na verdade surge como toda uma nova esfera, diferente mesmo do religioso não cristão, que é a imposição da condição pelo deus que veio a ser no tempo. E esta nova esfera - que se caracteriza por esta doação da condição pelo deus - cria, de facto, uma clivagem circunstancial - que não se verifica na religiosidade anterior, nem na ética... e assim, este problema não pode deixar de interessar ao filósofo - embora o cristão propriamente dito não lhe possa prestar qualquer atenção (e se lha presta já revela que não é um cristão - tal como o filósofo que a discute já mostra assim que não é cristão) e o problema é, pois, este:

"A felicidade vinculada a uma condição histórica exclui todos os que estão fora da condição, e entre estes está a quantidade imensa de todos aqueles que estão excluídos através, não de uma falta própria, mas pela circunstância acidental de o Cristianismo não lhes ter sido ainda proclamado.”
Kierkegaard, Postscriptum Conclusivo Não-científico, VII, 508

“Uma vez que a relação com esse evento histórico (o deus no tempo) condiciona a consciência do pecado [a consciência mais viva de si], não poderia ter existido consciência do pecado durante todo o tempo anterior a esse evento histórico [o que implica que não poderia ter existido a forma mais definida e especificadora de consciência de si mesmo].”

Kierkegaard, Postscriptum Conclusivo Não-científico, VII, 509

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.