quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

O religioso em Kierkegaard e a ironia em Sócrates

A propósito de religioso - e ironia...




O discurso religioso retrocede para o estético sempre que agradece a Deus a fortuna que o mundo lhe dá. Dizer-se que se está com Deus e que isso tem dado frutos é uma expressão estética: que se esteja bem casado ou que a carreira floresça são determinações estéticas e, religiosamente, é indiferente. Agradecer a Deus a riqueza ou a saúde - e nisto é indiferente querer tanto que não passar fome seja pouco, ou querer tão pouco que baste a saúde - é uma expressão estética que ilude se pretende ser religiosa. Porque se se agradece a riqueza ou a saúde por que se agradece a Deus? Será porque só Deus sabe se é para nós um bem a saúde ou a riqueza, ou porque sabemos nós o que para nós é um bem? Será que agradecemos a Deus porque só Deus nos interessa ou agradecemos-lhe porque nos foi útil ao dar-nos saúde ou riqueza? Será que realmente estamos na relação com Deus e no resto por acidente, ou será que estamos essencialmente no mundo e queremos de Deus o que dá jeito no mundo?
Na Grécia Antiga havia uns senhores que andavam de ilha em ilha levando pessoas e uma vez uma jovem foi buscar junto ao mar pelo seu futuro esposo. Encontrou lá a Sócrates a quem perguntou por ele. Sócrates, como só ele o poderia fazer seriamente, disse então que o navegador não sabia realmente o que fazia. A jovem, admirada, perguntou por que dizia ele isso - ao que Sócrates respondeu, como só ele o poderia fazer ironicamente, que o navegador não sabia o que fazia porque não sabia, quando levava homens de ilha em ilha e os descarregava em terra e lhes pedia as moedas, se não teria sido melhor deixá-los morrer em mar, pois que, na verdade, não podia o navegador saber se pior destino não os acolheria a nova ilha ou a cidade que os esperava... A jovem, na sua ingenuidade, ou talvez porque a fama de Sócrates precedesse a Sócrates, riu. Pois, que deveria ela fazer se não rir singelamente da ironia de Sócrates: dizendo a verdade como se fosse uma piada!

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.