domingo, 1 de janeiro de 2017

Viver para trabalhar ou trabalhar para viver - a treta é a mesma

A propósito de trabalhar para viver...

Diz-se, muitas vezes, que o senso-comum vive para trabalhar. Isto é um equívoco.

O senso-comum é: não se quer apenas viver para trabalhar, quer-se, isso sim, trabalhar para viver. Que alguém, por via das circunstâncias, esgote a vida a trabalhar é outra questão, pois daqui não resulta que aquele que vive para trabalhar pense que o sentido da vida é trabalhar. De facto, um sujeito pode precisar de trabalhar para garantir certas comodidades e um sujeito pode querer garantir tantas comodidades que precisa de gastar o tempo todo a trabalhar, mas daqui não resulta que o sujeito queira viver para trabalhar. Pelo contrário, ele trabalha para viver, o problema é que aquilo que para ele é viver exige que ele gaste muito tempo a trabalhar. Pode até acontecer que um sujeito tenha de gastar todo o tempo apenas para adquirir as condições de sobrevivência, mas daqui não resulta que ele queira apenas sobreviver, acontece sim que o tempo que gasta a sobreviver o impede de ter tempo para também viver.

A tese do senso-comum é que se trabalha para viver e não que se vive para trabalhar.

A tese dos patrões é que é que os trabalhadores vivem para trabalhar. Os patrões mais empreendedores, mais dedicados, mais honestos chegam mesmo a acreditar que o sentido da vida é trabalhar - que a forma de garantir o sentido da vida é trabalhar nela.
Não interessa aqui discutir a tese dos empreendedores, porque esta tese não é a tese do senso-comum: a tese do senso-comum é "eu não vivo para trabalhar, eu trabalho para viver".
O problema desta tese é que ela pressupõe como adquirido aquilo que julga ultrapassar. Pressupõe como adquirido que há um sentido em viver - por isso mesmo, trabalha para viver. Levanta-se de manhã na pressuposição de que é preciso trabalhar para viver porque pressupõe que a vida está dotada de algum sentido, que faz sentido viver por alguma coisa que valida a necessidade de trabalhar para isso.
Portanto, o senso-comum julga que aquilo que há a fazer na vida não é apenas garantir as condições da vida, mas fazer algo nela para além dessas condições. O problema é que, deste modo, saltou, justamente, o problema de adquirir as condições da vida. Saltou, justamente, o problema do sentido, porque este esteve deste o início pressuposto.
É esta pressuposição que faz desta perspectiva uma perspectiva do senso-comum, vulgar e aparentemente compreendida por "todos", porque, de facto, todos percebemos que não queremos apenas sobreviver.

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.