quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Capaz de deveres

A propósito do humano enquanto "ente capaz de deveres".

Um dos princípios éticos decisivos é que uma acção só pode constituir um dever no caso de o sujeito ser capaz de realizá-la. Como é evidente, do princípio de que "ser capaz de" é condição necessária do dever não se segue que seja condição suficiente. Porque, se "ser capaz de fazer x" fosse condição suficiente para que "x seja meu dever", então o dever seria completamente arbitrário - isto é, corresponderia à negação da própria noção de dever. Pois, bastaria que um sujeito fosse capaz de matar outro para que isso pudesse ser seu dever.


Kierkegaard discute, em vários momentos, este princípio. O princípio, por um lado, é intuitivo: o dever tem de corresponder a algo que possa ser formulado como obrigação - ou seja, como algo a que eu sou obrigado. Eu não posso ser obrigado a fazer algo que está fora das minhas possibilidades efectivas. Assim, aquilo que não sou capaz de fazer não pode constituir um dever para mim.
Por outro lado, o princípio parece contra-intuitivo. Suponha-se que me emprestam dinheiro e quando chega o momento de pagar a dívida "não sou capaz de a pagar". Significa isso que o meu dever de pagar esta dívida não existe? Não parece ser esse o caso. O que falta aqui?

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.