quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Dever e Querer - a cisão da vontade

A propósito do hiato entre dever e querer.


Qual é o verdadeiro problema da moralidade?

Bem, em princípio, o decisivo da moralidade é que o sujeito faça coincidir o seu querer com o dever. Este é o problema. Porque, se é preciso o sujeito fazer coincidir o querer com o dever, como é que ele pode querê-lo?
Assim, o mais natural é que o sujeito queira que o dever coincida com o seu querer. E, para isso, tem os infindáveis recursos da razão. Por intermédio da razão, o sujeito pode chegar a convencer-se que o seu dever tem de expressar aquilo que é mais vantajoso.
Como se percebe, isto é o inverso do que inicialmente se apresentava à consciência... porque se começa por haver uma questão de "dever", então teve de começar por um "dever" contrário ao que se queria fazer...
Enfim: sempre que nos parece que o nosso dever coincide com o nosso querer é preciso parar para pensar se não será o nosso querer a fazer das suas magias!
Tudo isto depende, naturalmente, da noção de "dever" que se tenha: como é evidente, se o sujeito pensa que "dever" significa "aquilo que eu quero fazer", então a noção de dever é inútil. A noção de dever serve, justamente, para expressar um hiato entre aquilo que imediatamente queremos fazer e aquilo que achamos que deveríamos fazer. Se na noção de dever não estiver incluído este hiato, então elimine-se a palavra.

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.