quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Como uma ideia nova se converte numa ideia velha?

A propósito de ideias novas...


A hipocrisia do género humano segundo Kierkegaard


A hipocrisia, segundo Kierkegaard, não é apenas uma tendência inata à estrutura do indivíduo humano, mas também qualquer coisa que se pode verificar em termos históricos.


A dada altura surge no mundo uma ideia nova. Como ideia nova ela deve entusiasmar as pessoas que se apressam a colocá-la em circulação. Justamente, em circulação, diz Kierkegaard, como acontece com o dinheiro. Posto a circular passa de mão em mão, ao fim de algum tempo o seu significado inverte-se completamente.


Por exemplo, o Cristianismo, segundo Kierkegaard, introduziu no mundo a ideia de pecado, uma ideia nova que eleva o humano na medida em que lhe dá um requisito mais alto. Mas a ideia, posta a circular, sofre o efeito das mais variadas transacções, de modo que, ao fim de alguns séculos, como que por efeito de inflacção (que é o processo histórico da desvalorização de um critério de medida...), o seu significado inverte-se completamente.
A ideia do pecado correspondia a uma ideia nova, pois o homem já sabia que podia errar, falhar, mentir e cometer crimes - mas não sabia ainda que podia pecar. Com a noção de pecado introduz-se uma categorização completamente nova, uma medida completamente outra. Mas esta noção, posta a circular, foi sofrendo pequenas mutações até que, finalmente, significa o oposto - exactamente o oposto - do que significava na origem.

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.