segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Post-truth, Nova ignorância, e Opinismo/Achismo

A propósito da Quadratura do Círculo 29 Dezembro 2016


De facto, o fenómeno da "nova ignorância" não é um fenómeno novo. Já escrevi aqui, no facebook, sobre o assunto. Os fenómenos de pós-verdade, que tanto se têm discutido graças a Trump, não muito antigos.
De resto, parece ser isso que está em causa em algumas descrições antigas da "doxa" (opinião).

Como é evidente, a opinião distingue-se da ignorância. A ignorância consiste em não ter assegurados os requisitos do conhecimento. Na verdade, já é uma tarefa hercúlea perceber quais são os requisitos do conhecimento - o que significa que é difícil perceber o que é o conhecimento, pois sem que os requisitos estejam reunidos, a coisa permanece incompleta. Assim, por maioria de razão, é muito difícil assegurar os requisitos do conhecimento, em primeiro lugar porque não sabemos bem quais são, em segundo lugar porque é difícil cumpri-los.
Portanto, a condição imediata e mais comum parece ser a da ignorância, da qual só com dificuldade se sai. Contudo, isto não prejudica o carácter da verdade, nem o estatuto do conhecimento. De facto, eu posso ser ignorante sem errar, pois basta que suspenda o julgamento sobre as coisas que não sei. De igual modo, posso instaurar processos de averiguação e de investigação acerca daquilo que desconheço. Assim, a ignorância, por si mesma, não diminui a dignidade da verdade, nem o estatuto do conhecimento, pois não tolhe a petição de cumprimento dos requisitos deste, nem anula a tensão para isso. Por estas duas excelentes razões, pode encontrar-se na ignorância uma espécie de esclarecimento - a famosa douta ignorância que sabe que não sabe e, por isso, está permanentemente em tensão para adquirir conhecimento.

A opinião, pelo seu lado, tem efeitos muito mais devastadores. Por várias razões, mas a primeira das quais é que aquele que tem uma opinião também não assegurou os requisitos do conhecimento, mas ao contrário do ignorante, contenta-se com a opinião. Quer dizer, quando se tem uma opinião mantém-se essa opinião, justamente, porque se lhe atribui validade. Se alguém diz ter uma opinião é porque a considera válida. Caso contrário, abandoná-la-ia. O problema é que a validade da opinião - a razão pela qual é opinião, e não conhecimento - é que aquilo que a está a validar é exclusivamente o facto de ser a opinião do sujeito. Nada mais, nada menos. E a razão pela qual este modo de validação é insuficiente é que ele não exclui a validade de nenhuma opinião. Ou seja, a validade da opinião que se tem não exclui a validade de todas as outras opiniões possíveis.
Evidentemente, isto corresponde à falência completa da dignidade da verdade e da intenção de conhecer. É isso mesmo que se diz quando se afirma que "é a minha opinião e pronto". Com isto sugere-se, justamente, que cada sujeito pode ter a opinião que for e, por isso mesmo, qualquer que ela seja é válida. Ora, os gregos presumiam, precisamente, o inverso: que a razão pela qual a opinião não está dotada de validade é que se pode ter qualquer uma.

A pós-verdade e aquilo a que Pacheco Perreira chama nova ignorância corresponde a esta forma de opinião: à opinião daqueles que acham que, justamente porque se pode ter a opinião que calha, qualquer opinião é válida - e isto inverte completamente o que está em causa na noção de douta ignorância, pois esta coloca o requisito de anular a arbitrariedade da opinião colocando sobre esta o ónus de excluir a validade de todas as alternativas.

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.