terça-feira, 18 de setembro de 2012

De Trajano para Plínio

A propósito de justiça romana.


Plínio, o Jovem, Cartas, 10, 97 – De Trajano para Plínio

1 Actum quem debuisti, mi Secunde, in excutiendis causis eorum, qui Christiani ad te delati fuerant, secutus es. Neque enim in universum aliquid, quod quasi certam formam habeat, constitui potest. 2 Conquirendi non sunt; si deferantur et arguantur, puniendi sunt, ita tamen ut, qui negaverit se Christianum esse idque re ipsa manifestum fecerit, id est supplicando dis nostris, quamvis suspectus in praeteritum, veniam ex paenitentia impetret. Sine auctore vero propositi libelli nullo crimine locum habere debent. Nam et pessimi exempli nec nostri saeculi est.

Tens seguido o percurso correcto, meu caro Plínio, ao investigares os casos dos Cristãos que foram levados até ti. Pois nem para todas as coisas do universo pode ser estabelecida uma forma fixa. Não sejam procurados; se forem denunciados e se provar serem culpados, sejam punidos; no entanto, se algum negou ser Cristão, e der prova que o fez, isto é, invocando os nossos deuses, mesmo que tenha estado sob suspeita no passado, que obtenha perdão através do arrependimento. Informações anónimas não devem ser tidas em consideração em nenhum tipo de julgamento. Seria um exemplo terrível e em desacordo com os nossos tempos.


Trajano, aliás como também Plínio, demonstra um respeito pela lei que é assinalável. Não se deve condenar ninguém com base em informações anónimas, pelas quais ninguém toma responsabilidade. Aquele que é levado à justiça deve ser investigado e se se provar que é culpado, então que seja condenado.

Trajano oferece ainda a possibilidade de alguém de arrepender, mudar de comportamento e aceitar a lei romana. O Cristianismo violava a lei romana, pois se recusava a prestar culto a qualquer divindade romana ou ao próprio imperador. Perante a lei, essa recusa constituía crime. Contudo, não era porque alguém acusava alguém de ser Cristão que este deveria ser condenado. Se este aceitasse invocar os deuses dos romanos, seria perdoado.

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.