segunda-feira, 15 de abril de 2013

Sem título

A propósito da vida - desconjuntado...


Submerge-nos, por vezes, a intuição de que não se nasceu para isto, de que este mundo não é a nossa casa, de que não se está bem onde quer que se esteja. E sabe-se que isso só pode designar uma grave desadequação de mim-a-mim. E corre o mundo, e esgota-se o tempo, aproxima-se avidamente o momento das contas a acertar.

Uma profunda desadequação, ser-se inábil e não se saber ser hábil, ser-se um inadaptado

um vazio

um poço sem fundo

não saber o que fazer e saber que não há nada a fazer. Que tudo é nada e que mesmo assim há falta de qualquer coisa... o reconhecimento de que o nada do mundo não sacia, de que não dá paz saber que nada há aí para mim. Querer o mundo todo e não saber lidar com a própria roupa; querer o mundo todo e o mundo todo não bastar.

Não há grito, não há riso, não há felicidade nem infelicidade, não há um só alguma coisa que se possa dizer: sim, isso é um sentimento que vale! Não, não há.

E, no entanto, aqui estamos... E sentimos, e queremos, queremos ser, escrevemos para os outros com consciência de que de nada vale escrever para os outros e de que nada vale aquilo que escrevemos!

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.