sábado, 6 de abril de 2013

O Altruísmo

A propósito de altruísmo...


Ora bem, usa-se falar de altruísmo quando alguém funda o seu comportamento no outro (alter, alterum). Explicitamente, o altruísmo consiste em fazer o bem aos outros, pelos outros. Subjacente está, claro, o amor-próprio. A ideia de que no altruísmo há uma negação de si, ou do amor próprio, não resiste ao exame. Na verdade, o altruísta "realiza-se" no outro. Ao ser-para-o-outro ele obtém satisfação. 

O verbo "realizar" é bem aplicado aqui, porque "realizar" deriva do latim "res", que significa "coisa". Realizar é "fazer coisa". Realizar aponta para a noção de completude, e é isso que as pessoas entendem por altruísmo, pois desejam completar-se nesse "ser-para-um-outro". No entanto, isto já coloca em evidência um conjunto de mal-compreendidos que podem ocorrer. Antes de mais porque aquilo que conhecemos como "algo completo" são, habitualmente, as coisas do mundo que nos rodeiam, sobretudo as coisas que fazemos. É assim que dizemos que completámos uma tarefa, que acabámos uma casa, que terminámos um exercício. Mas esta compreensão corre o risco de ser enganadora porque tem subjacente a possibilidade de lidar com o humano ao modo dos entes mundanos. Ou seja, assume à partida que o sujeito é como uma casa, uma obra, um exercício que está em processo de construção, que esse processo é externo, como no caso da casa à qual se vão juntando peças até, finalmente, se encontrar concluída. Mas se aplicarmos essa imagem ao humano, então temos que admitir que só quando morre é que o humano está completo. Portanto, isto chama a atenção para uma consideração inautêntica do humano porque o que cada um refere quando diz que se sente "completo", ou "mais completo", não é nada do género "morri". Não. No caso do humano é o contrário. Quanto mais completos estamos mais vivos nos sentimos e na verdade mais coisas temos para fazer. Nunca estamos mais completos do que quando sentimos que temos à nossa disposição possibilidades de execução. Ora, uma casa está completa precisamente quando não há mais nada a fazer...

Por outro lado, quando se diz que o altruísta vive em função do outro esquece-se que, se analisarmos bem, é precisamente o contrário. O altruísta retira o seu sentido, o seu prazer, a sua "felicidade" precisamente do outro. Na verdade, se o altruísta não tivesse outros para ajudar, provavelmente ou se suicidaria, ou teria de arranjar outra coisa para fazer. Na verdade, na maioria das vezes, o altruísta simplesmente é altruísta como poderia ser outra coisa qualquer. Assim como uns encontram o seu sentido na carreira, outros encontram no “outro”, e isto parece ser suficientemente aleatório para podermos dizer que o altruísta pode ser tão alheado, tão inautêntico como o egocêntrico que só pensa em si. 

Além disso, o altruísta acaba por usar o outro para-si. O outro é como um instrumento que o altruísta usa para se sentir bem, para estar de consciência tranquila, para se conseguir perdoar a si mesmo de algo que fez de errado, ou simplesmente para “comprar” um lugar no céu ou no paraíso.

Estas considerações feitas atrás não significam, no entanto, que o “altruísmo” é errado ou imoral, como se estivesse aqui a afirmar que fazer bem aos outros é pecado… Aquilo para que eu quero chamar a atenção é que, na verdade, aquilo que se faz expressamente tanto pode ter um sentido como um outro sentido. Ou seja, o altruísmo pode ser uma opção autêntica de alguém, pode-se ser autenticamente altruísta – ou, inversamente, pode-se ser altruísta em fuga de si mesmo, pode-se ser com os outros apenas porque não se consegue estar consigo próprio…

Este assunto é muito complexo. Envolve diversos temas e exigiria um estudo cuidado sobre a natureza do humano – que, obviamente, não pude fazer aqui…

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.