terça-feira, 23 de abril de 2013

O copo meio

A propósito de compreensão e sentido...


Para uns o copo está meio cheio, para outros meio vazio. Uns dizem que ainda há água, e que isso é bom. Outros, que a água se vai, e que isso é mau. Mas nestas perspectivas há uma visão de conjunto, uma visão da vida mais profunda, e que é de tal modo anterior que engloba todas as compreensões subsidiárias daquilo que aparece. No caso em apreço está pressuposto que a água é boa... mas será que não poderia acontecer que ter o copo vazio ou o copo cheio não alterasse nada de fundamental? E isso não quer dizer que não se precise de água para viver.

Há, de facto, uma compreensão profunda, que vem de há milénios, e que hoje parece estar perdida: viver não é um fim em si mesmo, não vale tudo para viver, ou, o que é o mesmo, se tudo o que vale só vale na medida em que nos permite continuar a viver, então viver não vale de nada, porque o ponto não é o que nos permite viver, mas o que nos faz viver: para que é que vale a pena viver?

Parece, no entanto, que enquanto se está ocupado a de cada vez garantir a sobrevivência não emerge tão facilmente a pergunta sobre para quê sobreviver - e isso significa que já há uma resposta em funcionamento.

Cada momento da vida é uma certa, explícita ou implícita decisão relativamente à possibilidade extrema que de cada vez acompanha cada possibilidade. Cada momento de viva é um momento em que ainda não se morreu, mas também e sobretudo um momento em que o sujeito ainda não se suicidou. Cada momento da vida é antes de mais nada uma escolha, explícita ou inexplícita. E essa escolha ninguém a pode fazer por ninguém, ninguém se pode retirar dela. A única coisa que não se pode deixar de fazer é estar perante um OU/OU...

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.