sábado, 26 de maio de 2012

Do sentido da vida

A propósito de ausência de sentido e o sentido disso...


‎"Se a vida não tem um sentido, então..."

Seja o que for que se siga às reticências é apresentado como fundamentado na "falta de fundamento":

"Se a vida não tem um sentido, então valia mais não ter nascido. A vida não tem sentido. Logo, valia mais não ter nascido."

A ausência de sentido adquire sentido (neste caso, negativo: não haver sentido na vida parece querer dizer alguma coisa, a saber, que valia mais não ter nascido).

Mas o que está verdadeiramente em causa é saber SE:
1) A vida não tem sentido (pode acontecer que apenas ainda não se tenha revelado);
2) A ausência de sentido pode ter algum sentido;
3) Ainda que a ausência de sentido tenha um sentido, este sentido é aquele que é proposto no argumento em causa (pode acontecer que o sentido da ausência de sentido seja a necessidade de criar sentido, pois parece que o próprio argumento indicado "cria" um sentido na falta de sentido, ainda que crie negativamente).

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.