terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

o eu esquizóide

A propósito de cisão interna...

Os relatos dos psicanalistas acerca dos seus "paciente" são reveladores. Um sujeito vai ao psicanalista e confessa que trata a mulher como se fosse um cão e o resto das pessoas como se fossem objectos - e sabe que o faz, e sabe que isso está mal, porque foi por isso que resolveu ir ao psicanalista.

O psicanalista percebe que há uma cisão interna ao sujeito. À primeira vista parece que não há uma cisão porque o sujeito comporta-se de uma maneira e sabe que se comporta dessa maneira (o que é diferente daquele sujeito que trata mal a mulher mas não o reconhece).

Mas há uma cisão. Aquilo que o sujeito faz e aquilo que o sujeito pensa que deve fazer estão em contradição. No caso do sujeito que não o reconhece, como não o reconhece, não percebe que há uma contradição, mas a contradição está lá. Mas no caso do sujeito que o reconhece, então torna-se evidente para o próprio sujeito que há uma contradição, que está a ser X mas que quer ser Y - e como não o oculta para si mesmo, a contradição torna-se evidente na consciência. Mas, então, surge uma nova contradição: o sujeito sabe que deve alterar o modo como trata a mulher, mas não o faz. Há sujeitos que reconhecem isto, mas depois pensam que não há mal nenhum nisso. Pensam que, como sabem que estão a fazer mal, de algum modo já estão a ter consciência. Há imensos relatos de pessoas que disseram isto nos julgamentos de Nuremberga... A pessoa faz um mal que reconhece como mal, e como reconhece isso como mal assume que ela é diferente dos "verdadeiros nazis", que ela própria é, afinal, alguém que está a fazer o mal porque não tem outra hipótese.

Mas o sujeito que vai ao psicanalista e reconhece que a forma como trata a mulher está errada, e reconhece que o decisivo é deixar de tratar a mulher dessa forma (e não apenas reconhecer que a trata mal) - este sujeito tem uma cisão interna muito mais profunda, de certa forma ele é muito mais culpado do que todos os outros que não reconhecem que estão a fazer o mal, mas por outro lado este sujeito, que é o mais culpado de todos, é também o que está mais próximo de se "curar": porque admitiu que há uma cisão e que quer resolver esse conflito de si consigo e já percebeu que o seu verdadeiro obstáculo é ele mesmo.


O que eu não percebo é por que, depois de análises tão profundas, os psicanalistas caiem no ridículo e atribuem estas cisões internas a coisas como uma orientação precoce para os peitos, ou coisas parvas deste género!!!

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.