sábado, 25 de janeiro de 2014

Inveja e Carácter

A propósito de inveja...

Kierkegaard analisa um fenómeno intrinsecamente humano: a inveja. A inveja está profundamente radicada no humano. Quer dizer, é um modo humano de ser, e um modo radical, o que é o mesmo que dizer que somos naturalmente invejosos - e isto sem estar já a proferir um juízo ético. Mas à medida que ela prospera facilmente se torna algo imoral.

A inveja autêntica não é a negação da excelência, pelo contrário, é o reconhecimento da excelência. Era assim o ostracismo na Grécia Antiga: um grego podia explicar ao seu concidadão, Aristides, que votava a favor da sua expulsão porque estava farto de ouvir dizer nas ruas que ele, Aristides, é que era um grande homem. E assim a inveja ostracizava um excelente homem, mas não lhe negava a excelência. Não espantava ninguém que o povo de uma cidade mandasse regressar um homem previamente ostracizado confessando-lhe que não podia viver sem ele - nem espantava ninguém que se mandasse regressar um homem anteriormente ostracizado para fazer dele um basileus, um rei, um chefe. O que verdadeiramente indignava um grego era que se condenasse ao ostracismo um zé-ninguém, um político menor, alguém de quem só se tomava conhecimento quando se estava a votar se deveria ou não ser ostracizado. Portanto, a ironia não estava em que uma cidade ostracizasse um homem excelente, um grande homem. Não. A ironia seria se um político insignificante ostracizado, pelo facto de ser ostracizado, acabasse por ser considerado um homem excelente - porque um grego estava habituado a que um ostracizado tivesse algum tipo de excelência - e assim o povo da cidade mandasse regressar esse homem insignificante para fazer dele um rei, de tal modo que até os cidadãos da cidade que o acolhera durante o período em que estivera expulso da sua ficariam admirados por aquele homem absolutamente insignificante ser considerado necessário numa outra cidade.

A inveja é uma expressão indirecta, mas é ainda um reconhecimento da excelência. É um modo de relacionamento com a excelência: há quem admire o excelente, mas o invejoso quer bani-lo, embora não negue que o excelente é excelente - e é justamente porque não nega a excelência que a inveja. Por outro lado, a inveja sem carácter é uma expressão muito mais equívoca e ambígua. A ambiguidade começa em que pela sua falta de carácter já não se reconhece como inveja, e por isso já não admite que reconhece a excelência. Assim, um invejoso sem carácter seria incapaz de reconhecer perante Aristides que o condenava ao ostracismo por Aristides se excelente. Em vez disso, talvez o invejoso sem carácter afirmasse que Aristides não tinha carácter, que Aristides era invejoso, e se essa acusação falhasse, talvez dissesse que Aristides era insignificante ou que Aristides queria que a cidade fosse insignificante, e se essa acusação não funcionasse acusaria Aristides de qualquer outra coisa, talvez acabasse a acusar-se a si mesmo de ter sido enganado por muito tempo pelo perigoso do Aristides, e simultaneamente talvez quisesse que se acreditasse que o motivo pelo qual Aristides deveria ser banido era o facto de ele ser um Zé-ninguém. E então, a páginas tantas, a inveja é efectivamente apenas um palavreado vazio e a excelência torna-se indistinguível. Finalmente, é tudo um jogo em que invejosos se banem uns aos outros e onde já se não consegue encontrar um único traço de carácter.

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.