quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Crueldade e vulgaridade

A propósito de crueldade... (Two Ages, Kierkegaard)

Pode acontecer que a paixão leve uma pessoa a perder-se - mas a paixão tem a vantagem de exigir uma resolução, uma decisão, e de manter presente e claro para o apaixonado que há um caminho a fazer, que tem de se prosseguir por esse caminho e de que os demais caminhos são a perdição do apaixonado. A paixão tem um elemento de seriedade que é existencialmente decisivo.

Por outro lado, uma pessoa apaixonada pode tornar-se boa ou má, pode perder-se ou ganhar-se. O apaixonado tem claro para si mesmo que tem de decidir, que tem de se ganhar e que pode perder-se - mas pode estar apaixonado pelo objecto errado, pode ter uma ideia errada pela qual se apaixonou, pode tomar o caminho errado: e embora tenha a noção de perdição bem presente, pode ter a ideia errada do que é que o pode salvar.

Mas uma pessoa sem paixão não decide e pode muito bem ter todas as ideias correctas e não se salvar, e na medida em que decide é assim que se perde. Sem paixão não há o factor existencialmente decisivo, a existência perde-se no pântano da multiplicidade, do isto e daquilo e daquilo também, e um sujeito segue pela vida fora fragmentado sem nunca se arriscar verdadeira e essencialmente em nenhuma possibilidade fundamental de si, e por isso mesmo nunca abriu sequer a possibilidade de se ganhar. O erro vulgar acerca desta forma tão vulgar é julgar que ela é inócua. Parece que a paixão reserva os maiores perigos - mas este erro vulgar ignora que é justamente no vazio da falta de seriedade que a crueldade reside. A vulgaridade está carregada de crueldade, que é crueldade porque não é a violência exercida de forma claramente perceptível, não é a violência da paixão e do ódio, não é a violência identificada, determinável, evidente. A vulgaridade está carregada da crueldade que é crueldade precisamente porque é vazia, destituída de sentido, amorfa, insignificante, descolorida, não notificável.

A vulgaridade é crueldade, alimenta-se da crueldade - e pode-se ser absolutamente cruel e discutir com repúdio a violência no café porque a crueldade se tornou indiscernível para o olhar desapaixonado. A crueldade da vulgaridade só se pode tornar perceptível para o olhar eticamente comprometido.

A crueldade da vulgaridade tem o infeliz hábito de ter um número indeterminado de vítimas... Mas não é natural que tenhamos a tendência para rejeitar a ideia de que a mais vulgar, a mais banal, a mais quotidiana das existências é cruel? Não é natural que tenhamos uma resistência a aceitar que o nosso dia-a-dia é essencialmente cruel? Porque, afinal, nós bem sabemos que dormimos de consciência tranquila... e, no entanto, esse é o sinal mais preocupante!

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.