segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Desconhece-te a ti mesmo

A propósito de felicidade e ignorância...



É claro que o mandamento "desconhece-te a ti mesmo" é da pior espécie. Porque, para que ele pudesse ser útil, teria de verificar-se que aquilo que ele manda já não pudesse ser cumprido. Pior do que isso, é um mandamento tão ruim que se arrisca a criar as condições da sua própria inexecutabilidade. Pois, que forma há de criar mais desejo por um fruto do que proibir o seu consumo?

Mandar que alguém se conheça a si mesmo é parvo, mas de outra maneira. Porque ao mandar uma coisa cria resistência a isso. O sujeito pensa que lhe estão a chamar parvo. Por isso é parvo mandar alguém conhecer-se: nesse sentido em que leva essa pessoa a recusar-se a tal coisa. Por outro lado, se se descobre que há esforço envolvido, nada pode ser mais dissuasor.

É feliz o que se ignora, infeliz o que se descobre. Mas terrível é ser incapaz de compreender a própria sorte. Porquê? Só é terrível para ele enquanto sabe isso, mas se fosse incapaz de o compreender, não compreenderia a sua infelicidade. O que é uma infelicidade que se ignora? Será felicidade?

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.