terça-feira, 14 de julho de 2015

Sobre o suposto "acordo" da Grécia e da UE, a 13-07-2015

A propósito de "acordo"

Acordo? Qual acordo? Os gregos - os antigos - tinham um vocabulário expressivo, e na sua vastidão encontra-se este verbo: συμφράζομαι (synfrázomai). Um verbo interessantíssimo porque vem do termo φρήν (frén), ainda hoje compondo vários termos em várias línguas, como é o caso de "FREnético". A palavra φρήν designava o órgão da respiração, mas num sentido originário, como quando ainda hoje dizemos que "faltou-me o ar quando ele disse aquilo", ou que a "atmosfera ficou irrespirável quando ele entrou na sala". Normalmente, traduz-se por "coração", porque nós hoje associamos ao coração esta função disposicional... O prefixo "συμ-", ainda hoje usado em palavras como "SINergia" ou "SINtonia", significa "em conjunto", "com". Ora, συμφράζομαι significa "tomar conselho com", "tomar parte em conjunto com", "considerar em conjunto"; "conjugar esforços"; mas também "dizer em conjunto", "condizer". Quer dizer, para os gregos - antigos - chegar a acordo, concordar, envolve o coração, uma relação de sinergia em que os sujeitos se envolvem de coração, respirando em conjunto, em sintonia. Da mesma forma, o termo "a-cordo" vem do latim, da palavra "cor", que significa "coração".

Não. Não houve qualquer acordo. Os líderes europeus já não sabem o que significa ter coração. Por isso, não podem saber o que significa "acordo", não podem compreender qual era o "projecto europeu".

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.