quarta-feira, 25 de julho de 2012

Aceitarias, Prótarco, viver toda a tua vida gozando dos maiores prazeres?

A propósito de prazer...

Qual é o maior bem do humano?

A maioria atira rapidamente que é a "felicidade". Mas, o que é que está em causa no termo "felicidade"?

Para a maioria, no início e na maioria das vezes, a felicidade e o bem são o prazer...

Os prazeres orientam-nos. Atraem-nos. Muitas vezes toldam-nos, não nos deixam ver mais do que o túnel que leva até eles.

Os prazeres são muitos, vários, diferentes. Em comum têm isso de nos atraírem.

Leiamos uma passagem de Platão tão imortal como a raça humana:


"Consideremos que nenhuma sensatez há na [vida] de prazer, nem nenhum prazer na de sensatez. […] Aceitarias, Prótarco, viver toda a tua vida gozando dos maiores prazeres?"

Platão, Filebo 20e – 21a
Σωκράτης
μήτε ἐν τῷ τῆς ἡδονῆς ἐνέστω φρόνησις μήτ᾽ ἐν τῷ τῆς φρονήσεως ἡδονή. […]
δέξαι᾽ ἄν, Πρώταρχε, σὺ ζῆν τὸν βίον ἅπαντα ἡδόμενος ἡδονὰς τὰς μεγίστας;

Este pequeno trecho deve ser lido com cuidado, porque aquilo que a pergunta está a perguntar não é imediatamente evidente.

A análise cuidada desta pergunta pode dar-nos algumas indicações daquilo que seja a felicidade. Porque a felicidade não é qualquer coisa cujo significado deva ser procurado nas pedras ou nas moléculas de H2O... Aceitaríamos uma vida tal como é proposta na citação? Atenção: muita atenção, nunca assine nenhum contrato cujas cláusulas não compreende completamente.

Sobre a tradução de φρόνησις.


Este é um dos passos em que me parece mais claro que φρόνησις deve ser vertido por "Gewissen", "consciência", pois na continuação Sócrates diz que sem ela (e as actividades que lhe são próximas) o ser humano, ou qualquer outro ser, ainda que vivesse nos mais extremos prazeres, não se aperceberia disso. A φρόνησις tem que ver com "aperceber-se das coisas" de cada vez em vigor. O prazer sem notícia dele nada é.
Semelhança com Ética a Nicómaco 1166a23-24: δόξειε δ᾽ ἂν τὸ νοοῦν ἕκαστος εἶναι ἢ μάλιστα. ("mas compreender parece ser o que cada um é realmente"). A proximidade entre νόος e φρόνησις é evidente no passo do Filebo 20e - 21e.
A tradução por "discernimento" não me parece descabida.

1 comentário:

  1. O prazer é encontrado na satisfação. Pode ser encontrado na vingança. Pode até ser encontrado na dor, e isso nada tem haver com a felicidade.
    Os maiores prazeres talvez seriam os melhores, mas ninguém é capaz de medir o prazer de cada individuo. Portanto a felicidade vem da diferença de muitas infelicidades, de muitos prazeres que trasmitem o mal. A felicidade vem da bondade, da sinceridade, da verdade, da paz, da fidelidade... E não são todos que sentem prazer nisso... ( infelizmente ) A felicidade é eterna, porém, nem sempre está conosco. Ela não necessita de condições para entrar na nossa vida, mas, necessita de condições para continuar, ou seja, da bondade, da sinceridade, da verdade e da paz. Dessas, a felicidade necessita, pois, são eternas(nem sempre estão conosco). Mas como diz ali em cima, "consideremos que nenhuma sensatez há na vida de prazer, nenhum prazer na de sensatez"... Posso dizer que jamais haverá felicidade nesses prazeres. Do que vale muitos prazeres sem nenhum amor? Assim é a vida do insensato. A felicidade nem sempre vem dos prazeres, vem do amor que não compreendemos.

    ResponderEliminar

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.