segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Autárquicas de 2013 - crítica

A propósito de eleições, vencedores e derrotados

Autárquicas 2013

Vencedores e Derrotados

Tratando-se de eleições autárquicas, não penso que se devam inferir lições nacionais de casos particulares.
Dito isto, a nível nacional pode ser possível verificar tendências, generalidades que, de algum modo, podem permitir certas conclusões a nível nacional.
O PSD é a grande força autárquica em Portugal. Mas, a nível nacional, teve (até ao momento) 103 Presidentes de Câmara (PSD + coligações lideradas pelo PSD) contra 140 Presidentes de Câmara do PS (PS + coligações lideradas pelo PS).

Ora, se o PSD teve 103 câmaras contra 140 do PS é justo que se diga que o PSD é o grande derrotado.

A análise da situação do PS é mais complicada. Tem mais câmaras do que qualquer outra força política. Se considerarmos as situações em que PS e PSD concorreram sem coligações, o PS teve 36,4 % contra 16,61% do PSD, o que é um resultado bastante expressivo. Contudo, se considerarmos todas as situações em que PS e PSD lideraram a candidatura, então o PSD teve 37,55% contra 36,82% do PS. Portanto, se quisermos ser imparciais não podemos dizer sem mais que o PS teve mais votos, embora tenha sido o partido que, a concorrer sozinho, teve mais votos. Em 2009, a concorrer sozinho, o PS teve uma percentagem maior de votos (37,8%, mais de 2 milhões de votos) do que este ano (36,34%, 1,7 milhões de votos).

Ainda assim, o único vencedor é, suponho, o PS, porque teve mais candidaturas a vencer (e não porque teve mais votos, pois isso é outra discussão). As restantes forças políticas (e estou a falar a nível nacional) perderam. Quem em 300 tiver 1 câmara e passar a ter 5, enquanto outros têm 140 ou 100, não se dirá que ganhou, mas que, sendo um perdedor, melhorou.

A CDU é, dentro dos perdedores, um dos que melhorou a sua participação. É, por isso, em certo sentido, um vencedor. Teve mais votos, mais câmaras, mais vereadores do que em 2009, melhorou em toda a linha e não teve perdas a assinalar.

O CDS teve menos votos mas mais câmaras. Isto significa que melhorou, em termos de candidaturas que venceram, porque agora ganharam 5 candidaturas suas e, em 2009, ganhou só uma. Mas não deve ser esquecido que teve menos votos em absoluto e menos percentagem dos mesmos. Não ganhou estas eleições. Não é um vencedor. é vencedor apenas "em certo sentido", um sentido bem determinado: ganhou 5 câmaras em mais de 300, mas como antes só tinha uma, melhorou.

O BE é, a par do PSD, o outro partido que, de entre os perdedores, perdeu mesmo. Não há volta a dar-lhe, e com certeza que os simpatizantes do Bloco esperam (eu espero) que a liderança não se ponha a aventar desculpas, a tecer interpretações, leituras profundas e inteligentes que demonstrem que, afinal, o BE não perdeu ou até talvez tenha ganho. Porque se o BE se puser a fazer esse tipo de bailados acabará por demonstrar aos seus simpatizantes que não é diferente dos partidos alinhados. A coisa é relativamente simples: se o BE exigir, e parece que exige, ao PSD que tome lições nacionais destas eleições autárquicas, então o BE tem de reflectir internamente e tirar conclusões destas eleições autárquicas. Se o PSD deve tirar conclusões, o BE também. Se o BE assobiar para o lado e nada fizer quanto a si mesmo, perde toda a legitimidade moral para exigir ao Governo que o faça. É altura do BE mostrar que é diferente do PSD, diferente do Governo.

Passos Coelho. O Primeiro Ministro é o perdedor mais evidente. Em termos pessoal é ele o grande derrotado. Sobretudo, porque ele se envolveu. E perdeu.
O Seguro não é um vencedor claro, em termos pessoais. Não há dados objectivos que permitam confirmar uma vitória pessoal a nível nacional, nestas eleições. Nem António Costa. Mas António Costa ganhou Lisboa e isso vale muito - vale na medida em que António Costa queira. Os Lisboetas não ficariam irritados se ele saísse para Governar o país. Estas eleições autárquicas apenas confirmaram o Seguro como líder do PS na medida em que António Costa permita. Uma decisão de Costa e Seguro já era.

Alberto João Jardim. Jardim começou a perder a Madeira quando começou a perder a liberdade de gastar como quisesse e a habilidade de enviar ao Continente a conta. Mas antes de perder a Madeira perdeu o PSD-Madeira. Ganhou as eleições internas por uma unha negra. Nas eleições autárquicas de ontem ficou com 4 câmaras em 11. Foi outro derrotado - não a nível nacional, como é evidente, mas a nível regional. Vejamos até que ponto controla o seu Partido regional, os seus deputados na região e os seus deputados na Assembleia da República. Vejamos que artimanhas ele encontrará em cada uma destas plataformas para não abandonar o Poder.




Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.