quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

O que é um anti-cristo?

A propósito de anti-cristo...


Curioso o conceito de anti-cristo de Nostradamus. Nada que o Novo Testamento não faça notar: os falsos profetas. Há a pretensão de identificar Hitler com um dos anti-cristos e diz-se que ainda falta vir um. Ora, qual é o problema com os falsos profetas? Podem atingir grande poder e mover exércitos humanos. Mas porquê? Quem era o exército do Hitler, quem são os seguidores dos falsos profetas? Seriam seres de outro mundo, espíritos trazidos pelo anti-cristo para este mundo?
O problema com os falsos profetas é que não são reconhecidos como tal pelas pessoas. O problema é que o anti-cristo, se o for, não é reconhecido como tal. E quem não se rever nas suas ideias será rejeitado. Não será o anti-cristo a ir de casa em casa, serão as pessoas, os homens e mulheres que tanto medo têm do anti-cristo que executarão a vontade do anti-cristo. E executarão a vontade dele com vontade.
O problema com o anti-cristo é que as suas palavras viriam ao encontro da maioria dizendo-lhe aquilo que elas querem ouvir, aquilo que elas querem acreditar. O problema é que quando se fala de anti-cristo as pessoas imaginam um ser com cornos, príncipe da fealdade, horrível, mal-disposto, com palavras agressivas. Mas um ser com cornos não é de temer porque as pessoas unir-se-ão contra ele. Mas essa forma de representar o anti-cristo afasta a atenção para o que é mais perigoso: aquela figura agradável que nos diz palavras melífluas, que parece ser um salvador, que é agradável e que facilmente convence. E é desse ser que é de ter medo, porque a vir um falso profeta mundial a sua característica principal não seriam os cornos, mas com toda a certeza a sua beleza, de figura ou de palavras. E enquanto se procuram os cornos imaginários a alegria real pode ser a grande falsidade que nos enterra no lodo da mediocridade.

2 comentários:

  1. A imagem que eu vejo quando penso no anti-cristo seria essa:
    1 - O Anti-Cristo é descrito no apocalipse como o 4º cavaleiro, o do cavalo branco(não. não é Jesus), aquele que vem logo após a peste a fome e a morte. Ou seja, quando o mundo estiver na miséria, aparecerá um político, apoiado por alguma autoridade religiosa, que terá todas as repostas para os problemas do mundo.
    Alguns desses problemas seriam:
    1-Xenofobia - ele acabaria com essa noção de países inimigos instaurando a nova economia já famosa da marca na mão ou na testa.
    2-Religiões extremistas - ironicamente ele atacaria religiões que considerasse extremistas, ponde o cristianismmo no meio.
    Os 3 anos e meio de paz que a Bíblia descreve indicam que de fato, as idéias desse homem salvaram a humanidade da aniquilação por isso, o povo o seguirá, mas depois seu lado prepotente e orgulhoso vai surgir, mostrando sua face de anti-cristo.

    ResponderEliminar
  2. O meu objectivo era chamar a atenção para um singelo pormenor: nós seríamos as armas do anti-cristo... Nós o seguiríamos, acreditaríamos nele, e repudiaríamos com gosto todos aqueles que não o aceitassem como líder.

    Nós temos medo do anti-cristo... excepto quando ele estiver aí. Então nós o adoraremos... E eu não estou aqui a referir-me a categorias religiosas, nem a supostas revelações do futuro. Estou a notar um problema: se a verdade da Democracia é simplesmente satisfazer as opiniões das pessoas, então o Nazismo é a verdade da Democracia... ou seja, já estamos num modelo nazi, e o facto de não estarmos numa manifestação tão radical como a do Hitler é puramente casual...

    ResponderEliminar

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.