segunda-feira, 12 de março de 2012

Do Riso e da Loucura, (Pseudo-)Hipócrates

A propósito de Loucura...

                                           A doença que a todos acomete... paradoxo? talvez não.


Do Riso e da Loucura

Autor: (Pseudo-)Hipócrates
1ª edição, Lisboa, Julho de 2009: Padrões Culturais Editora
Tradução: Largebooks; Prefácio: José Manuel Jara


Do Riso e da Loucura trata-se de um conjunto de textos, escritos como se fossem cartas, uma dirigida a Hipócrates, sete enviadas por Hipócrates.
Este pequeno livro é mais profundo do que aparenta à primeira vista. O pretexto para a redacção das cartas é a suposta doença (νόσος) de Demócrito. A descrição dos sinais de doença envolve indícios preocupantes de loucura (μανία) e melancolia (μελαγχολία): Demócrito esquece-se de “tudo e até dele mesmo”, “permanece agora acordado noite e dia, descobrindo em qualquer coisa grande ou pequena motivo para rir, e julgando que a vida não tem qualquer valor”. “Levanta-se frequentemente à noite, e sozinho parece cantar suavemente”.
Enfim, Demócrito dá sinais de misantropia, alienação, apatia, sarcasmo. O Senado da cidade Abdera decide por isso solicitar auxílio ao grande Hipócrates, conhecido pela sua perícia no tratamento adequado das más-disposições. Os abderitas temem por aquele que dá renome à cidade e por isso querem o seu sábio saudável. Na verdade, suspeitam que Demócrito tenha enlouquecido devido à sua grande sabedoria e receiam que a sua demência se espalhe a toda a cidade.
Curiosamente, Hipócrates não fica convencido acerca da doença de Demócrito. Todavia, Hipócrates não menospreza o mal-estar que poderá estar na origem do comportamento dessituado de Demócrito, pelo contrário, coloca a hipótese de tal mal-estar se justificar precisamente por aquilo que o sábio julga saber. A questão é, portanto, averiguar em que medida aquilo que Demócrito julga saber tem legitimidade: tratar-se-á de sabedoria ou de loucura? É que, ao contrário do que supõe o Senado de Abdera, a excelência nunca é prejudicial, “o excesso de virtude nada tem de pernicioso”. Portanto, Hipócrates passa a considerar um cenário possível segundo aquilo que lhe parece – esse cenário é a possibilidade de a enfermidade de Demócrito ser uma ilusão nos olhos dos abderitas.
A loucura do sábio pode muito bem ser um equívoco nos olhos de quem, padecendo de falta de sabedoria julga a alheia como supérflua. Pode muito bem ser o caso de que os abderitas sejam maioritariamente loucos, ou pelo menos de alguma forma doentes sem o saberem. O ponto é então descortinar de que lado está a razão.
A hipótese considerada é importantíssima: pode acontecer que “o mundo inteiro esteja doente sem o saber”; se esse é o caso, então, na sua insensatez, na sua loucura, os homens vulgares não estão devidamente enraizados em chão seguro que lhes permita deter um ponto de vista adequado sobre o que de facto seja a loucura ou a virtude. Por outras palavras, supõem colher frutos maduros onde há podridão, colhem tormentos onde suspeitam haver boa fortuna, parecendo-lhe que o mar amaina lançam-se em águas tumultuosas. Estão perdidos e pensam saber quem são. Portanto, se a hipótese lançada por Hipócrates estiver correcta, Demócrito pode muito bem não estar louco: serão os seus concidadãos que, na incapacidade de identificar aquilo que de facto é o caso, tomam o sábio por louco; “condenam aquele que lhes seria de maior proveito”.
Estará, então, Demócrito louco? Ou estarão os abderitas equivocados? A dúvida é ainda mais irónica pelo facto de o adjectivo “abderita” ser usado na Antiguidade, em sentido pejorativo, como sinónimo de limitado, ingénuo, parvo, estupido. Assim, trata-se de saber se é Demócrito o louco, ou se são os loucos que são incapazes de reconhecer a sabedoria. Mas se o mundo inteiro está doente, o que é que distinguirá a loucura corrente dos abderitas relativamente à situação de Demócrito? Demócrito poderá não estar doente nem louco da maneira que os abderitas supunham, mas isso significa que ele está são, ou apenas que não está mais louco ou doente que os restantes?
Na verdade há uma diferença no ponto de vista de Demócrito: a desocultação do aspecto louco da vida quotidiana do homem vulgar. Demócrito está ciente da necessidade de adquirir uma recta técnica de viver que permita ao humano viver na justa medida das suas possibilidades de ser. Mas a “verdade exacta, ninguém a conhece, ninguém a testemunha”. Com estas palavras Demócrito deixa em aberto o caminho da procura que é sempre tempo de fazer, porque nunca se está na posse definitiva.

O livro editado em português indica Hipócrates como seu autor, mas na verdade é mais provável que estas cartas tenham sido redigidas por Pangetus. De qualquer modo, com toda a probabilidade, não pertencem a Hipócrates, nem ao seu tempo. Escrito nos inícios do Império Romano, é habitual chamar ao seu autor Pseudo-Hipócrates. Infelizmente, a versão portuguesa parece ter sido feita a partir da tradução francesa de Yves Hersant, Sur le Rire et la Folie, Rivages, 1989. A selecção não contém todos os escritos relevantes do Corpus Hippocraticum sobre a loucura ou a melancolia, mas apenas as cartas relativas ao caso de Demócrito. Além disso não contém a carta do próprio Demócrito.
Para ler o texto grego e comparar com uma tradução francesa (segundo edição de Littré), clique AQUI.

2 comentários:

  1. 1- a versão portuguesa (BRASILEIRA -HEDRA) não indica Hipócrates como autor, por isso vem entre colchetes na capa: [Hipócrates], e isso é explicado no prefácio
    2 - contém a carta de Demócrito - carta 18 p.63

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo seu comentário.

      Como é indicado, o texto presente refere-se à edição de Lisboa, Portugal, que me parece resultar da selecção e tradução de Hersant.

      Eliminar

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.