terça-feira, 9 de julho de 2013

A pressuposição de evidência e a consciência do erro

A propósito de "pressuposição de evidência"...

A consciência é formal. O que quer isto dizer?

1. Quer dizer que qualquer conteúdo é um conteúdo consciente e nada existe para a consciência senão como conteúdo dela.

2. De 1. concluímos que a consciência normal é a "pressuposição" de evidência, de tal modo que o ente consciência É sempre, de algum modo consciente de alguma coisa na "pressuposição" de evidência disso de que está consciente.

3. De 2. concluímos que o ente consciente sempre se julga consciente - e que, em certo sentido, ele está certo nisso.

4. No erro há qualquer coisa de novo e isso NÃO É o colapso da pressuposição de evidência. O que há de novo na consciência do erro é, antes de mais nada, a explicitação de algo que estava em estado tácito, latente, INCONSCIENTE. O que é novo na consciência do erro é a consciência de algo de que não se tinha consciência - mas isto NÃO produz imediatamente nem necessariamente a consciência de que se está numa situação em que sempre se tem consciência de conteúdos explícitos de tal modo que a apresentação explícita depende dos conteúdos não explícitos. Isto é, reconhecer que se errou não produz necessariamente o reconhecimento de que se permanece num estado tal que pode ser idêntico ao estado em que se estava quando se estava em erro.

5. De 4. concluímos que a própria consciência do erro é um processo cujo funcionamento visa, em primeiro lugar, manter em funcionamento a "pressuposição" de evidência.

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.