quarta-feira, 10 de setembro de 2014

A Máquina do Mundo, de Paulo José Miranda

A propósito de Mundo, Violência e Jogo

A Máquina do Mundo é um livro inquietante.

É um livro sobre o mundo, um livro sobre a violência, sobre a violência do jogo do mundo.

E se a violência for a essência do jogo? Se o mundo é mundo na violência? Se o jogo é jogo pela violência?

Percebemos facilmente que a natureza envolve violência: o leão caça a gazela. Admitimos esta violência, reconhecemos que a há. Assumimos que a sociedade é, também ela, violência. Como os peixes que se comem uns aos outros - porque a violência é exercida pelos fortes sobre os fracos, porque a violência é quando há desequilíbrio. Percebemos isto muito bem. Sabêmo-lo.

E se não é só isto?

Habitualmente, atribuímos a violência a uma qualquer forma de vício, de corrupção, como se fosse uma doença, uma deficiência crónica - não só do jogo, do sistema, mas também dos intervenientes, dos jogadores. Há violência porque o sistema está viciado por agentes corruptos - há agentes corruptos num sistema viciado. Um vicia, os outros corrompem - ou uice-uersa. É difícil discernir se é o jogo que vicia ou o mundo que se deixa corromper, se são os agentes que corrompem ou se deixam viciar. Percebemos isto mais ou menos.

E se não é só isto? E se a violência for a essência do jogo?

Pois, "o que seria do mundo sem violência?" E se a violência não for apenas um vício do sistema, não for apenas uma corrupção dos agentes? E se a violência é o mundo?

O mundo é na violência, mas também pela violência. Não há apenas violência no mundo: não haveria mundo sem violência. Não é só o leão que morre de fome sem violência - não é só o poderoso que não o seria sem a sua força, sem a sua capacidade de exercer poder sobre os fracos. A haver mundo, há violência. E se for de facto assim?

O mundo é a máquina onde se joga. O jogo é a essência do mundo e a essência do jogo é a violência.

Mas o mundo é complexo, a humanidade está hoje muito longe de ser uma tribo de agricultores, "e com o incremento de possibilidades aumenta a complexidade da liberdade". Quem pode dizer - quem pode saber se é livre?

E se dedicamos toda a nossa seriedade no jogo, se empenhamos a nossa alma ao mundo e ao lado disso fica a vida?

Quantas vidas teremos de perder no jogo para darmos conta de que podemos ter uma vida?


Este é um livro que não nos deixa indiferentes, que não parece ter sido feito para as tardes de bronze na praia. Um livro que nos faz pensar sobre o mundo, sobre a vida e sobre a morte. Que nos faz pensar sobre o valor da vida, de uma vida, da morte e de uma morte. E que, afinal, nos leva a interrogarmo-nos a nós mesmos sobre nós mesmos, a nossa natureza, ou a ausência dela, a nossa vida, ou a ausência dela... a consciência de si, ou a ausência dela.


"A história do homem começa com a história da violência."

"o mundo não é outra coisa senão uma empresa, a Existe Lda., na qual apenas alguns participam nos lucros e os outros fazem o que lhes mandam, ainda que julguem que não é assim, que não estão a ser mandados, que têm livre-arbítrio social e político, ao invés de estarem a ser manipulados por quem realmente manda, por quem realmente decide"

A Máquina do Mundo, Paulo José Miranda

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.