quarta-feira, 20 de março de 2013

O humano, exposto ao mundo

A propósito da situação de exposição ao mundo...


Não há nada no mundo que possa ser adquirido, nada de que o humano se possa tornar proprietário. Essa ideia vã de que se têm coisas, de que se possui isto ou aquilo apenas se mantém à custa de uma cegueira, de uma confiança que o hábito parece prometer, mas que o mundo jamais afiança. Não há nada no mundo de que se possa estar certo.

Se o homem primeiramente ganha o seu sentido das coisas do mundo, então o seu sentido está suspenso, dependente, ... Isto tem vários sentidos. Se o homem ganha a sua segurança da ilusão de segurança do mundo, então, verdadeiramente, só quando o homem morre poderia dizer se a vida valeu a pena ser vivida - porque de facto o homem considera a vida como mais uma coisa que deve ser útil, mais uma maçã que amadurece, mais uma coisa que está sempre incompleta. E aí o homem nunca está de facto seguro de nada, porque se ele está seguro no mundo, então ele não leva a sério que tudo o que o mundo lhe pode oferecer é caducidade.

Então nós temos hoje um mundo de homens que vivem no mundo como se fossem mundo, que vivem e se alimentam da caducidade, e depois se admiram de que o que é intrinsecamente caduco caduque. Vivem como se fossem caducos e admiram-se quando caducam.

Mas se o passar do tempo, se o ir-se da vida, se o finar-se do outro, se o perder, se o ficar sem nada pode inviabilizar o mundo, então é porque o mundo nunca esteve assegurado, e se o mundo nunca esteve assegurado isso é porque o homem quis desde o primeiro momento assegurar aquilo que jamais poderia adquirir.

Ficar sem as coisas só pode machucar o homem que vive para as coisas. Perder tudo o que se tem só pode atingir aquele que vive do que tem. Só se pode perder se se tem o sentido naquilo que se pode sempre perder - mas nesse caso o sentido nunca foi tido. Só aquele que nunca se adquiriu se pode perder.

Sempre houve quem abdicasse de ter e de possuir e não sentisse falta disso. Mas o que é mais comum é querer ter e possuir. Por que é que quem tem e possui sofre com a perda senão porque é nisso que coloca o sentido?

Há um equívoco aqui.
Parece que só o crente está em condições de poder ter o sentido noutro lugar que não no mundo, que só o crente pode não ter o mundo como definição de si. Parece acreditar-se que o ateu está obrigado a identificar o homem ao mundo. Como se a crença e a religião não fossem a expressão de algo muito profundo no humano. Como se a religião fosse qualquer coisa que acontece no homem sem ser no homem. Nisto o ateu também se engana, porque o ateu julga que o crente está simplesmente iludido. O ateu chama à religião ficção, e o religioso não reconhece no ateu qualquer espírito.

Ambos se enganarão... porque nem a religião pode ser vista como um engano: porque quem se enganaria senão o humano? Mas em termos de sentido o humano está impedido de se enganar se ele está no sentido. Da mesma forma, o ateu não pode ser visto como sem-espírito: porque quem seria sem-espírito senão o humano? Mas se o humano é capaz de um sentido que não o do mundo, este não há-de ter outra sede senão no humano.

Quer dizer, o ateu não está condenado a ser mundo - a não ser que ele se determine pelo mundo. Mas a ideia comum de que isso é assim leva invariavelmente a que o ateu se convença de que ele deve, para bem da sua intelectualidade, converter-se ao pó - e, então, o próprio pó se torna a sua religião e pode haver fundamentalistas ateus  como os há entre os crentes - e, inversamente, leva paulatinamente a religião a converter-se numa certa forma de ateísmo camuflado, ou de deísmo racional que é mais ateu do que alguns ateísmos...


Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.