terça-feira, 19 de novembro de 2013

A perda de si mesmo

A propósito de consciência de si.





"Mas, tornar-se uma pessoa fantástica desta maneira, e assim estar no desespero, não significa, ainda que por vezes seja óbvio, que uma pessoa não pode muito bem seguir com a sua vida, parecer ser alguém, estar ocupada com assuntos temporais, casar, ter filhos, ser honrada e estimada - e não se detectará que, num sentido mais profundo, lhe falta um si-mesmo. Coisas destas [a falta de um si-mesmo] não agitam o mundo, pois um si-mesmo é a última coisa que interessa ao mundo, e a coisa mais perigosa de todas para uma pessoa mostrar sinais de a ter. O maior perigo de todos, perder o si-mesmo, pode passar completamente despercebido no mundo, como se não fosse nada. Nenhuma outra perda pode ocorrer tão pacificamente; qualquer outra perda - um braço, uma perna, cinco euros, uma mulher, etc. - certamente será notada."

Kierkegaard, A doença até à morte, XI, 146

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.