segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Há qualquer coisa superior à felicidade?

A propósito da dicotomia porco feliz v/s Sócrates infeliz

1. Penso que, em termos humanos, há qualquer coisa superior à felicidade.


2. Mas também pode acontecer que não se trate de haver algo superior à felicidade.

2.1. Não é imediatamente evidente se há, ou não, algum sentido em que o ἐλέγχειν socrático (a crítica, o exame, o destruir ilusões) constitua um fim pelo qual valha a pena, per se, destruir uma felicidade ilusória (seria preciso também averiguar se poderia haver coincidência entre o ser feliz e o adquirir consciência de si). Pode simplesmente acontecer que ser feliz seja efectivamente o fim autêntico do humano, e que o ser passivamente feliz seja perverso exclusivamente na medida em que impede o lançamento para o ser feliz autêntico

2.2. Ora, se assim for, então, se se der o caso de não haver nenhuma felicidade autêntica passível de ser adquirida, seria preferível que o sujeito se mantivesse passivamente feliz sem o saber - sendo que, então, o problema é que para perceber que não há essa felicidade autêntica seria necessário empreender um processo de exame que impediria o regresso à situação de felicidade passiva...

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.