sábado, 18 de maio de 2013

O Nazismo e a Escravatura

A propósito de judeus e escravos no regime nazi


Comparar o estatuto que os nazis atribuíam aos judeus com o estatuto de um escravo pode ainda levar-nos a confundir realidades bem distintas. O escravo era uma coisa útil cujo bom funcionamento interessava ao senhor. Comprado, vendido, trocado ou simplesmente utilizado, o escravo tinha um valor – um valor externo, definido por aquilo que produzia ou podia produzir. Mas o Nazismo não tinha nenhuma intenção de criar uma situação estável de instrumentalização dos judeus. É verdade que alguns eram utilizados como escravos – mas isso era a excepção, uma concessão dos nazis, um aproveitamento temporário de características que, por acaso, se encontravam em alguns judeus. O judeu como tal era uma coisa, mas sobretudo uma coisa inútil e daninha. Ao idealista nazi interessava retirar toda a potencialidade ao judeu, destituí-lo de toda a funcionalidade até que aos seus próprios olhos não fosse mais do que carne e osso – literalmente – a verdadeira natureza do judeu. A partir de um certo ponto, estar vivo ou morto era uma mera formalidade.

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.