sábado, 12 de abril de 2014

Inconsciência de si

A propósito de "Immediacy, the aesthetic, finds no contradiction in existing: to exist is one thing, and the contradiction is something else which comes from outside",
Kierkegaard, Postscript

Onde quer que haja existência há contradição.
Onde quer que haja consciência, há contradição para si.
Do ponto de vista da existência, a maior contradição é o humano que vive sem ser contradição para si mesmo - e a contradição é o facto de ele estar inconsciente de si, de ele, sendo consciência, não estar consciente de si. Do ponto de vista da consciência, o humano que vive sem ser contradição para si não é efectivamente contradição alguma - e a contradição é que ele não é, realmente, um si-mesmo.

Como é que, havendo consciência, pode não haver consciência de si?
Vivendo no imediato, o sujeito pensa-se a si mesmo como uma coisa, e pensa aquilo que ele quer como sendo outra coisa, de modo que a contradição não está nele, mas vem de fora, quando o mundo não lhe dá o que ele quer.
No limite, o sujeito que vive no imediato pode estar tão inconsciente de si que quase não há nele nenhuma consciência, nenhuma reflexão - e isto pode acontecer na medida em que a vida lhe corra bem, porque nesse caso, visto que a contradição não lhe chega de fora, e ele não está consciente de si, na verdade este sujeito, embora possa desempenhar qualquer função no mundo, ser considerado um homem de sucesso e até parecer ser um homem de grande lucidez, é uma espécie de anémona ou de polvo, que passa daqui para ali sem dificuldade, que tanto está num lado como no outro, e que com facilidade pode vir a ser para o mundo o homem mais feliz da sua geração. E, contudo, si-mesmo é que ele não é.

Sem comentários:

Enviar um comentário

discutindo filosofia...

Creative Commons License
Os textos publicados neste blog por luisffmendes estão sob uma licença Creative Commons

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.